Erosion Group 

The Erosion Group of Scenic and Visual Art is a group that investigates the aesthetics of erosion in its material, subjective and socio-environmental aspects.
Formed by artists who work in the northern region of Rio de Janeiro, the group is headquartered in Atafona beach, one of the region's famous seaside resort and former fishing village. Atafona has been living for 50 years with the advancement of the sea over urbanized areas.
The collective is formed by the artist-proposers: Fernando Codeço, Julia Naidin, Lucia Talabi, Jailza Mota, Rafael Sanchéz, Victor Santana and Bruno Germano.
Acting as the creative arm of CasaDuna, the group also has a network of collaborators and has been exchanging with several artists who passed by the house, among them: Filipe Codeço, Reinaldo Dutra, Vinicius Nascimento, Saullo Andretti, Francisco Sartori, Rafael Sánchez and Carol Cony

Tempontal

TEMPONTAL is a procedural work of scenic language research, freely inspired by Osório Peixoto's novel "The Mangrove" and Atafona's history and popular imagination, and history and in the popular imagination of Atafona with its religious processions and parades of Carnival.

There is also a reference to the disappearance of the old Pontal, it is a scenic and allegorical game that uses elements of the puppet theater, the theater of forms and the physical theater.

In its premiere in November 2018, the performance was attended by choreographer Bruno Germano and his students from the Associathis Dance School, from the São João da Barra Municipal Band, under the direction of Maestro Fred William and the assistants of CAPS - Atafona. who made the masks of the show in art workshop offered by CasaDuna.

Technical sheet

Direction: Fernando Codeço
Playwriting: Erosion Group
Actors: Jailza Mota, Julia Naidin, Lucia Talabi and Victor Santana
Art Direction: Rafael Sanchéz
Scenario: DH Bread
Assistant: João Cruz

Makeup and photos: Saullo Andreti
Branding and Props: Rudá Sanchéz
Graphic Designer: Matheus Crespo
Participation in the procession: Associathis dancers with Bruno Germano choreography
and São João da Barra Municipal Band with conductor Fred Williams
Audiovisual Record: Kock Filmes

Crab Delirium - Videoarte 2018

The video art “Delirio do Crab” is an experimentation inspired by images from Osório Peixoto's book “O Mangue” and striking elements of Atafona's life and culture. We seek to establish a dynamic between the fervent devotion expressed at the great feast of Nossa Senhora da Penha and spaces for freedom of the body and sexuality such as Nico's bar where the scenes we call “Crab Ritual” take place.

 

This dynamic between these two contexts of faith and of behavioral and sexual freedom generates, in the film, a free transit between the sacred and the profane, which for us is linked to the theatricalities of Atafona's social body.

This theatricality collapses, turns upside down, erodes certain barriers we suppose exist between the freedom of the body and the dogmas of the Christian faith.

 

 

Proposition Director: Fernando Codeço. Performers: Julia Naidin, Jailza Mota, Victor Santana, Saullo Andretti, Lucia Talabi and Bruno Germano. Camera: Fernando Codeço. Still: Saullo Andretti. Edition: Vinicius Nascimento. Original Trail: Francisco Sartori.

O Muro - Happening 2017

No happening “O Muro” a questão central que mobilizou a ação foi a discussão sobre a construção ou não de um quebra-mar para tentar conter o processo erosivo em Atafona. Há um projeto para a construção desta barragem cujo custo estimado é de 140 a 180 milhões de reais, a prefeitura de São João da Barra vem buscando recursos e licenças ambientais para realização da obra. No entanto, diversos geólogos, cartógrafos e cientistas se opõe a tal projeto, com argumento de que a erosão em Atafona é um fenômeno natural de grande complexidade com agravantes antrópicos e que faltam estudos para a realização desta barragem.

A inspiração para este happening “O Muro” veio do relato obtido por um dos atores do grupo durante pesquisa de campo que realizamos em Atafona. O ator Victor Santana nos relatou que numa conversa com um senhor conhecido como “Escolinha”, no bar do “Gaúcho,  em que se debatiam sobre o tema da possível construção dos espigões de pedra para barrar o avanço do mar em Atafona, este senhor “Escolinha” teria defendido a construção da barragem de pedra com o seguinte argumento: “Tem que construir este muro sim, no mundo todo o povo constrói muros, não foi construído até o muro de Berlim? Porque não podem construir este muro aqui em Atafona?”.  

O absurdo lógico desta argumentação inusitada do senhor “Escolinha”, refletia o absurdo real da construção destes muros, seja daquele que serviu para dividir uma nação inteira por disputas políticas, seja deste que se deseja construir para barrar o movimento geológico de avanço do mar. Foi nesta atmosfera de absurdos lógicos e reais que construímos as proposições do happening “O Muro”. O happening consistiu na construção e destruição de um muro feito com os escombros da praia de Atafona. Utilizamos o momento da construção para realizar um trabalho de arte-educação com crianças da região, propusemos que as crianças nos ajudassem a construir o muro e fizemos uma dinâmica onde se debateu os múltiplos significados e funções dos muros.


Direção-proposição: Fernando Codeço.
Performers: Julia Naidin, Jailza Mota, Victor Santana e Saullo Andretti.
Imagens: Fernando Codeço e Angela Codeço

Rua Felicíssimo Alves, 225, Atafona, S.J.da Barra

  • Instagram Social Icon
  • Facebook Clean